Quercus exige estratégia para recuperar zonas húmidas, algumas já estão ameaçadas

A Quercus exigiu hoje a definição de uma estratégia e de planos de gestão para recuperar as zonas húmidas, habitats sensíveis que estão ameaçados, considerando que cinco destes espaços já deviam ter classificação internacional.

A associação de defesa do ambiente Quercus diz ser «inaceitável que as zonas húmidas da Ria de Aveiro, Lagoa de Óbidos, Lagoa de Melides, Estuário do Minho e Barrinha de Esmoriz continuem sem ser designadas como Zonas Húmidas de Importância Internacional».

A posição da Quercus, hoje divulgada, quando se assinala o Dia Mundial das Zonas Húmidas, defende a necessidade absoluta de escolher 2016 para o arranque dos planos de gestão, «da avaliação das incorreções de alguns dos limites dos Sítios de Importância Comunitária e de Zonas de Proteção Especial para as Aves, da designação de novos Sítios e do alargamento da Rede Natura 2000 ao meio marinho».

In Diário Digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.